5 Comentários

O tema é fascinante. Enquanto o livro não sai, aqui fica qualquer coisa em formato vídeo, em torno da palavra "caril", e não exactamente "especiaria". Mas vai-se a ver e...

https://youtu.be/zt10iMRWg20?si=wp4yWDUyLyYfPSBS

Expand full comment

A época dos descubrimentos é moi interesante. Os avances a nivel tecnolóxico e científico foron moi intensos: cartografía, embarcacións... E como non, fixeron de Sevilla a capital económica de Castela. Para min, Sevilla é hoxe a cidade máis bonita de España e debe a súa extraordinaria beleza, por un lado, ao pasado musulmán e, por outro, áos inicios da Idade Moderna.

Expand full comment

Quando cheguei de Goa, descobri que alguns restaurantes em Lisboa tinham, no menu, uma "coisa" chamada "frango à indiana". O cheiro podia ser sentido por todo o quarteirão. Por isso, não me admirei quando as pessoas diziam: "Não gosto de caril". PUDERA !

Há caril, e caril! Assim como há picante e picante.

Quem viajou pela Índia fora, sobretudo pelo sul, irá provar um sem número de sabores , com as mais diversas combinaçóes de especiarias (masala).

De cada vez que preparo um, o sabor é diferente, porque não me preocupo, nem com as porções, nem com as especiarias. O "meu" caril leva umas folhas de 'curry' (sweet neem), da árvore Murraya koenigii. Não, não é 'pó de caril'. Faço-o sempre com coco.

Acompanhado de um arroz "basmati" (que se lê bassmatí, e não bajmáti, como sempre ouço).

(Porque será que os portugueses transformam as palavras agudas em graves? Zuári, Mandóvi, Karáchi...)

Gostei do caril da Tailândia: uma mistura de sabores, entre o indiano e o chinês.

Expand full comment
Mai 27·editado Mai 27

Fascinante, mais uma para a minha lista. https://www.wook.pt/livro/spice-roger-crowley/29523205

Expand full comment